Porquê? Why?

Há histórias que têm que ser contadas.
Há exemplos que têm que ser seguidos.
Há personagens que têm que ser desvendadas.
E nós merecemos um jornalismo diferente que nos mostre que ainda vale a pena.



17/03/08

Olé!


Póvoa do Varzim prepara-se para ser a primeira cidade 'anti-touradas'. Tudo o que esteja relacionado com touros, toureiros, faenas, afición, bandarilhas, sangue na arena, estocadas de morte e coisas que tais, não será bem recebido na Póvoa do Varzim. É uma decisão corajosa da autarquia num país que teima em pactuar com um espectáculo bárbaro. Mas é necessário que o executivo camarário aprove hoje a proposta do vereador Joaquim José Garcia (PS) denominada Moção a Favor da Declaração Municipal Oficial e Simbólica da Póvoa de Varzim como Cidade Anti-Touradas. Se for para a frente, já há um empresário alemão residente em Portugal disponível para comprar a praça de touros e transformá-la numa espécie de 'biergarten' com comes, bebes, cultura e diversão. A associação Animal bate palmas e lembra que, em Espanha, o país mais tauromáquico do Mundo, já existem 42 localidades que adoptaram esta medida.
Se for aprovada, esta decisão merece uma saída em ombros!

9 comentários:

Anónimo disse...

eu gosto muito de tourada.
acho um espectáculo fabuloso e com muita tradiçâo no nosso País.
tb numca fui apologista de radicalismos...
quem quer vai,quem nâo quer fica em casa a ver a novela...
tb já ouve a mania das cidades livres d armas nucleares, livres d droga e livres d quase tudo um pouco....
deve haver maneiras mais inteligentes de se chamar a atênçâo sem terem que se pôr em bicos d pés...

saludos desde españa, olé!

filipe : )

Ricardo Santos disse...

Gostos não se discutem, toleram-se. Ou não. Mas por haver pessoas que gostem de touradas, também podem existir outras que não apreciem a coisa. Como eu. Não penso que seja uma questão de chamar a atenção ou de nos colocarmos em bicos de pés. Acho que é positivo que exista esta hipótese, de haver locais onde a tourada não seja permitida. Tens toda a razão, quem não quer ver, que mude de canal ou fique em casa a ver a novela. Não defendo a proibição total da tourada, tal como não defendo que se proíba comer lampreia. Não gosto de ambas, mas é a vidinha. Há quem goste. E, de qualquer forma, tenho muitas dúvidas que a moção passe na Póvoa.
Obrigado Filipe, bela faena!

Paulo Barriga disse...

Não costumo ir a touradas, embora às vezes me apeteça espetar um belo par de bandarilhas em certos bovinos que por aí andam, como esse da Póvoa. Mas não me parece nada saudável esta moda das proibições por dá cá aquela palha. Que eu saiba as coridas de toiros não são proíbidas por Lei. Pelo que me parece perigoso e antidemocratico e até bafiento limitar a liberdade dos portugueses que se interessam por este tipo de espectáculos. É o mesmo que o presidente de Freixo de Espingarda às Costas se lembrar de proibir por decreto municipal concertos dos Xutos & Pontapés. Ou a Câmara de Paladar proibir a entrada do Nel Monteiro naquele concelho. É tudo uma questão de autoritarismo, de arbitrariedade e de segregação. Cheira tudo a fascismo, portanto!

Ricardo Santos disse...

Correctíssimo Barriga, mas não deixa de ser bom que existam opiniões contrárias à tourada em Portugal. Não se trata de uma proibição - isso não é permitido por lei, como referes - é antes uma tomada de posição quanto a um espectáculo que também é tortura. É tão legítimo ires a uma tourada como não ires. E se há uma cidade que não as quer por lá, parece-me excelente, podes sempre andar mais dez quilómetros e ir a outra onde se organizem as corridas. É tão simples como isso. É a liberdade de poderes dizer não, apesar de isso te parecer autoritarismo. É como o lixo que por vezes dá na televisão. Mudas de canal e optas por uma estação que não o tenha - sim, são cada vez menos...
Só mais uma coisa: genial a do Freixo de Espingarda às Costas.

Gracias amigo!

Cátia disse...

caros amigos,
Têm toda a razão. Gostos, cada um tens os seus. Realmente vai quem quer às touradas e quem não quer fica em casa. Mas o problema é que os lesados com este desporto de carnificina, não tem opção de escolha. Caso contrário tenho a certeza que os bichinos não estariam lá...
Diversão para uns, sofrimento para outros, estranho não é?

Paulo Barriga disse...

A questão, amigos, não está na "qualidade" do espectáculo tourada. A questão está na limitação das liberdades civicas. Como já disse, não frequento arenas! Mas um presidente de Câmara, que está eleito para servir todos os seus municipes, sem excepção, se dá ao luxo de, arbitrária e anticonstitucionalmente, proibir uma manifestação legal, está de forma clara a tourear a democracia! Com capote e muleta.

Ricardo Santos disse...

Não está limitada a liberdade cívica porque as pessoas podem continuar a ir às touradas, mas não na Póvoa do Varzim. É como a lei do tabaco. Há restaurantes onde se pode e outros onde não se pode fumar. Tem que haver espaço para todas as opiniões. Como neste blog. O vereador da Póvoa que fez a proposta também foi eleito pelo povo e parte desse povo não quer touradas na Póvoa. Mas que esta história está a ser uma bela pega de caras, lá isso está.
E quanto ao sofrimento dos bichos, Cátia, os aficionados continuam a defender que há nobreza na forma como eles são tratados na arena... São opiniões!

jcnunes disse...

Amigos, é Póvoa DE Varzim!
Aconselho ainda a reconfirmação do nome do vareador (agora ex) do PS...

Anónimo disse...

dlpa la amgu mas essa nao e a tourada da Povoa, eu sei mt bem do que falo pk alem de ser da minha terra tou a faze-la em 3D