Porquê? Why?

Há histórias que têm que ser contadas.
Há exemplos que têm que ser seguidos.
Há personagens que têm que ser desvendadas.
E nós merecemos um jornalismo diferente que nos mostre que ainda vale a pena.



10/10/09

Civismo

Algures no Nepal


Eu até acho que sou um tipo bem educado.

Gosto de deixar passar primeiro as senhoras em qualquer circunstância, seguro a porta para a pessoa que vem atrás de mim à saída do Vasco da Gama, mesmo que não a conheça e peço sempre licença quando me atravesso entre duas velhinhas a conversar no meio do passeio da Estefânia, apesar de elas se borrifarem para isso.

Quando, nos restaurantes populares a que vou, o empregado põe o toalhete de papel na mesa agradeço sempre. E quando ele traz o copo e os talheres também agradeço. Duas vezes. Uma pelo copo e outra pelo garfo e pela faca, afinal são dois serviços diferentes que merecem um incisivo "obrigado". Chega o prato à mesa e lá vem mais um "obrigado". É chato, confesso que pode ser cansativo, mas já o faço de forma inconsciente. E não me arrependo disso.

Normalmente sou bem recompensado por esse tipo de tratamento. Um sorriso, um "por favor" e um "obrigado" fazem milagres nas relações urbanas, nas repartições públicas, em cafés e restaurantes. Não me custa nada, tenho até algum prazer em agradecer a quem me presta ou serviço ou a quem tenta prestar-me um serviço.

É o caso dos paquistaneses e indianos que circulam pela noite das grandes cidades portuguesas, vendendo rosas embrulhadas em plástico, óculos que se iluminam, tiaras incandescentes ou barulhentos patos em forma de fantoche. Deixo sempre que se aproximem, que digam alguma coisa para, de seguida, os desarmar com um sorriso aberto e um claro "Não, muito obrigado". Resulta sempre, acreditem. Não falha. Eles perdem logo a vontade de dizer "todas por cinco euros". Isso deixa-me duplamente satisfeito. Por um lado, evito aqueles longos minutos de conversação sempre que um engraçadinho presente no grupo decide regatear um euro, que não lhe faz falta absolutamente nenhuma, com um cidadão de um país em vias de desenvolvimento que está a tentar melhorar a sua vida e a da sua família. Por outro lado, sinto que estou a tratar o profissional da venda de rosas e adereços com o respeito que me me merece qualquer pessoa que trabalha.

O exagero de civismo vai ao ponto de ter dado por mim, recentemente, a dizer "não, muito obrigado" a um toxicodependente que estava a mendigar junto aos Restauradores e me pediu uma "ajuda". Isto também já me começa a parecer um pouco demais, mas acreditem que é uma reflexo condicionado. Qual cão de Pavlov, mas sem me salivar, reajo ao estímulo do contacto entre duas pessoas com o reflexo da educação.

Pois então, muito obrigado e até à próxima.


3 comentários:

Susana disse...

Era bom que os paizinhos portugueses ensinassem às suas criancinhas essas frases mágicas. Seriam adultos bem mais interessantes. Como tu!

Ricardo Santos disse...

Estás a partir do princípio que os paizinhos sabem essas frases mágicas. Quando vejo alguns idosos a furar filas de autocarros ou de repartições públicas e a vociferar contra a malta nova, os drogados que vão às boîtes, tenho a certeza que a educação não é uma coisa geracional, apenas. Tem muito que ver com cada um de nós. Obrigado, Su.

Susana disse...

Estou completamente de acordo contigo. É bem transversal, infelizmente. De nada, Ricardo!