Porquê? Why?

Há histórias que têm que ser contadas.
Há exemplos que têm que ser seguidos.
Há personagens que têm que ser desvendadas.
E nós merecemos um jornalismo diferente que nos mostre que ainda vale a pena.



22/02/10

Perto da vista

42.
300 000.

A proximidade é, de facto, o factor essencial para mexer com a dor.
As cheias na Madeira provocaram, até este momento, 42 mortos. E ainda 17 pessoas estão desaparecidas.

No Haiti, as últimas estimativas apontam para os 300 mil mortos. A nossa comunicação social já pouco fala do que se passa nas Caraíbas. As atenções estão viradas para a Pérola do Atlântico, aquele irritante chavão usado vezes sem conta desde sábado. Acreditem, não é demagogia. É mesmo assim. Faz parte da natureza humana preocupar-se mais com aquilo que está perto.
E será sempre assim.

A relativização dos sentimentos passa pela proximidade.
Seja na morte ou no amor.

4 comentários:

Susana disse...

welcome back!
já tinha saudades de te ler! não nos deixes pendurados tanto tempo, please!
sobre o post já estamos conversados por outras vias.

Soph disse...

"A relativização dos sentimentos passa pelo proximidade."

Hum... fiquei a pensar nisto.

Costinhas disse...

concordo, que tudo nos toca mais quanto mais próximo nos é, mas a nível de mobilização de ajuda e de atenção não ache que tenha havido grande disparidade de atenção em ambos os caso.

O que aconteceu na Madeira é apenas uma tragédia muito recente. Dá-lhe mais uns dias e vamos ver de quem se vai deixar de ouvir mais depressa...

_aifos_ disse...

É exactamente isso!